Amigos, a partir dessa semana estaremos contando com as matérias do Falco sobre o RPG Maker. A coluna dele será semanal e mostrará como fazer um jogo pode ser fácil contando com a ajuda desse maravilhoso software e tendo em mãos o grande acervo de sprites,texturas e tutoriais que são sempre lançados pela comunidade fã do programa. Então é isso aí, para começar teremos um overview do programa e depois veremos matérias mais focadas e detalhadas! Go, Falco!

Nesta época onde RPGs são jogados entre milhares de pessoas, simultaneamente, sinto falta dos clássicos. Falo do meu Super Nintendo, um copo de KiSuco e a fita alugada do Chrono Trigger. Pra quem não é tão velho… aquele PSX, uma lata de coca-cola e os CD’s do Final Fantasy 9. Nostalgia! E é nesse clima que eu gostaria de mostrar aos velhotes de plantão um programa muito interessante chamado RPG Maker.

Com ele você pode criar seus próprios jogos de RPG, nos moldes de Dragon Quest, Final Fantasy e Breath of Fire. Com um belo toque de anime e mangá, os jogos criados são incríveis, que remontam a época dos clássicos de Super Nintendo. Você cria falas para personagens, cria batalhas e mudar várias opções comuns em um RPG. A criação de mapas não pode ser mais fácil… você praticamente desenha no mapa com os itens que quer colocar (grama, água, castelos, casas).

O RPG Maker teve duas versões lançadas nos últimos anos (2004 e final de 2007) que mudaram bastante o padrão que vinha sendo seguido pelo programa. Primeiro foi lançado o RPG Maker XP, em 2004, que apresentou muitas mudanças em relação aos programas anteriores, o RPG Maker 2000 e 2003. A versão XP trazia uma engine mais poderosa, com suporte à imagens 32-bit e músicas em formato MP3 e OGG. Além disso, o tamanho da tela dos jogos era de 640×480, o dobro das versões anteriores. Contudo, a mudança mais importante foi a inclusão de um sistema de scripts, baseado na linguagem de programação Ruby, muito popular no Japão e ganhando espaço no ocidente. Toda a engine do RPG Maker XP foi montada em cima desse sistema de scripts, conhecido como RGSS (Ruby Game Scripting System).

No final de 2007, foi lançado o RPG Maker VX, uma “continuação” do RPG Maker XP, embora hajam várias diferenças entre os programas. O VX apresentou uma facilidade maior ao se criar jogos, e também tornou a criação mais rápida. Um novo visual também deu as caras, e também uma versão atualizada e mais organizada do Ruby Game Scripting System.

Como funciona?

O que realmente faz a mágica acontecer e torna a criação de jogos no RPG Maker tão fácil, são os eventos e seus comandos. Quando um personagem conversa com você, um monstro o ataca, você entra numa loja para comprar coisas, etc. Tudo isso é um evento, e os acontecimentos são comandados por comandos de eventos. O RPG Maker possui dois modos de edição: a edição de mapas e a edição de eventos. Depois de desenhar seu mapa (uma ilha, um vilarejo, uma caverna…) você passa para a etapa de edição de eventos, onde você criará o que acontecerá ali. Pessoas caminhando com quem o jogador poderá conversar, monstros que irão atacar o jogador, etc. Os comandos de evento são o “roteiro técnico” de seu jogo.

Também existe o banco de dados. Nele você guarda quase todas as informações do seu jogo, como os personagens, itens, armas, armaduras, monstros, etc. Você pode criar, editar e gerenciar esses dados importantes do seu jogo. O RPG Maker já vem com um banco de dados completo para você usar em seus jogos, então, cabe a você dar uma customizada no banco de dados para dar mais cara ao seu jogo.

Onde encontro?

Para baixar o RPG Maker VX, clique aqui. Também é preciso que você faça o download do RTP VX, que é um pacote de gráficos e sons prontos para serem usados em jogos. Abaixo você encontra uma lista com vários links interessantes para você que está começando no RPG Maker.

Links Interessantes