Conhecido no Japão como FAMICOM (Family Computer) e no restante do mundo como NES (Nintendo Entertainment System) ou Nintendo 8Bits (e, no Brasil, como Nintendinho), o primeiro videogame da Big “N” foi e é o marco / divisor de “águas” entre o que se sabia sobre videogames e como passamos a conhecê-los agora! Abaixo, um rápido resumo sobre sua história:

null

1983, a enorme quantidade de jogos ruins no mercado de videogames, trazida principalmente pela Atari, espantou os consumidores das lojas dos EUA, e levou ao grande crash de 1984, que quebrou quase todas as empresas da área (a única remanescente foi a INTV, que havia comprado os direitos sobre o Intellivision).

Um ano antes (em 1983), do outro lado do mundo, foi lançado no Japão o Nintendo Famicom (Family Computer), console que mais parecia um brinquedo infantil. Foi a partir daí que os japoneses começariam o domínio da indústria de jogos, deixando as empresas americanas para trás. O Famicom, lançado sem maiores pretensões, já tinha vendido 2.5 milhões de unidades até a data do “crash”.

Mesmo assim, com medo da concorrência da “gigante” Atari, a Nintendo tentou vender a comercialização de seu Famicom para a própria, que recusou-se prontamente a aceitar a proposta. A Nintendo então, resolveu introduzir por meios próprios o console no mercado americano em 1985, com novo nome (Nintendo Entertainment System) e “design” totalmente remodelado. Surgia então o grande responsável pela recuperação do mercado de videogames.

Mas não foi fácil convencer os lojistas americanos (temerosos por causa do crash) a aceitar um produto de uma desconhecida empresa japonesa. Por isso, a Nintendo inicialmente teve que marketear o seu console como um “centro de entretenimento” para a casa (alguém aí disse Playstation 2?), e não uma máquina para rodar jogos.

2 acessórios “revolucionários” foram lançados para o NES no início de sua comercialização: a Power Glove e o R.O.B. (Robotic Operating Buddy). A luva permitia ao jogador um pequena sensação de realidade virtual ao mover o braço e os dedos e comandar a ação do jogo. O robozinho (que jogava) foi lançado apenas para vender o console para as lojas como um brinquedo, já que o “crash de 1984″ ainda assustava os distribuidores de videogames. Embora inúteis, os 2 acessórios marcaram a era de fascínio e admiração do Nintendo 8 bits. Uma pistola e inúmeros outros periféricos foram lançados ao longo da vida útil do NES.

O final da história todos nós já sabemos: o NES dominou 90% do mercado da era 8 bits até o início dos anos 90, quando surgiu a 5º geração de consoles encabeçada pelo Sega Genesis e Super Nintendo.

Podemos considerar o NES como o console mais bem sucedido da história juntamente com o Playstation e o GameBoy, estando presente em 25% dos lares americanos e 40% dos lares japoneses. Mario Bros 3 é o detentor do recorde do jogo mais vendido de todos os tempos. Graças ao NES, a antiga fábrica de selos e baralhos chamada Nintendo, tornou-se a nº 1 no setor de jogos e entretenimento nas décadas de 80 e 90 (até a Sony tomar sua posição com o Playstation). O NES encerrou sua vida útil oficialmente em 1995, 10 anos depois de ser lançado.

Fonte:Retrospace

Texto extraído do site: emulabr

Emuladores de NES

Com tantos pontos positivos para o console, por que não emulá-lo?

Quando fiz uma pesquisa sobre como emular o NES, encontrei uma enorme variedade de emuladores para ele, tais quais: NESten, JNES, GNES, iNESq, infoNES, NESter, NEStron, RockNES, FCultra, etc.

Ao filtrar com mais cautela, cheguei a estes dois: Nestopia e VirtuaNES! Ambos são excelentes, mas pude constatar uma leve vantagem do Nestopia sobre o VirtuaNES.


PRÓS E CONTRAS DE AMBOS

VirtuaNES Nestopia
Ótima lista de compatibilidade A maior lista de compatibilidade
Constantemente atualizado Constantemente atualizado (open source)
Vários filtros de imagens Quatro filtros de imagens
Netplay via TCP/IP Netplay via Kaillera
Botões AB normais Botões AB normais + 2 turbos programáveis
Aceita periféricos Aceita todos os periféricos
Game Genie e outros Game Genie e outros

Nestopia

Como vocês mesmos puderam observar pelo título do Tutorial, o emulador escolhido foi o Nestopia e, para isso, ele necessita do seguinte:

WINZIP e um PC conforme segue:

Requisitos Mínimos

  • Processador: Pentium III + 800MHz ou compatível AMD
  • Placa de Vídeo compatível com Direct3D 9.0
  • Sistema Operacional: Windows 98/ME/2000/XP
  • DirectX 9.0c ou superior

(*) Os usuários do Win98/Me precisam obter o Unicode Layer DLL (unicows.dll) do site da Microsoft e salvá-lo na mesma pasta onde está o executável do NEStopia. Ele pode ser baixado aqui.

Requisitos Recomendados

  • Processador: Pentium 4 + 1400MHz ou compatível AMD
  • Placa de Vídeo compatível com Direct3D 9.0
  • Placa de Som compatível com DirectSound 8.1
  • Sistema Operacional: Windows XP
  • DirectX 9.0c ou superior

Site do projeto: http://nestopia.sourceforge.net/
Download do Nestopia Binary

Baixem o Nestopia e extraiam-no em uma pasta específica para ele (uma com o nome de NEStopia, por exemplo). Surgirão vários arquivos e pastas e, após clicarem no executável do emulador, aparecerão outras ainda. Após isso, criem uma pasta com o nome de Roms (para armazenar os jogos do console)! Abaixo, a seqüência do acima exposto!

null

null

null

null

null

Ao abrirem o emulador, esta será a primeira tela que vocês verão (MENU – PRINCIPAL)!

null

Vou explicar por MENUS, para ficar mais fácil!

1 – MENU FILE

null

Open: localiza / abre os diversos tipos de arquivos suportados pelo NES (.nes, .rom, .nsf, .fds, etc);

Close: fecha o jogo em execução;

Load State: abre o jogo a partir de um save na pasta states;

Save State: salva o jogo (etapa onde parou) na pasta states;

Quick Load State: mesma função do Load State, mas é um atalho (máximo de 10 saves);

Quick Save State: mesma função do Save State, mas é um atalho (máximo de 10 saves);

Edit iNES Header: com a rom descompactada, edita as características peculiares do jogo que poderão ser visualizadas em Image Info (com o jogo em execução);

Save Screenshot: tira uma foto do jogo em execução;

Sound Recorder: grava um áudio do jogo;

Movie Player: grava / executa um vídeo do jogo;

Launcher: informa e executa (em uma única janela = gerenciador central dos arquivos para o NES) os principias arquivos / atalhos suportados para o NES / Famicom.

null

Recent Files: históricos (que poderão ser acionados) dos últimos arquivos usados pelo emulador;

Recent Directories: históricos (que poderão ser acionados) dos últimos diretórios usados pelo emulador;

Exit: Sai e fecha o emulador;

2 – MENU MACHINE

null

Power (On / OFF): liga / desliga o emulador;

Reset (Soft / Hard): “reseta” o emulador de forma brusca ou mais leve;

Input: permite selecionar entre os vários controles e/ou periféricos a serem utilizados pelo emulador (o recomendado é deixar em Auto Select);

null

Entretanto, pode-se jogar o Player 2 com o controle 1, o Player 1 com o controle 2 e assim por diante com os demais players/ports.

Para isso, basta marcarem Input / Port 1 (Player 1) / Pad 1 (desta forma o Player 1 será controlado pelo controle 1 – é o recomendado quando se está jogando em modo multiplayer). Caso queiram mudar essa configuração, é só irem em Input / Port 2 (Player 2) / Pad 1 (desta forma o Player 2 será controlado pelo controle 1).

null

Expansion Port: utiliza-se para habilitar diversos perfiéricos do NES
Four Player Adapter: possibilita o uso do Adaptador / Multitap para 4 players, para o Famicom ou NES (deixem em Auto, para que o emulador reconheça automaticamente).

External: habilita o uso do Famicom Disk System (FDS) by Renato Noviello (NESARCHIVE) e demais periféricos feitos para o NES, tais quais: teclado, gravador de fita cassete, leitor de código de barras, etc (porém, só funciona com a BIOS – disksys para ele);

null

NSF Player: executa várias músicas (arquivos .nsf), bem como, toca como música de fundo, etc. Aqui está um link para vários arquivos a serem executados com ele;

null

Region: possibilita escolher entre os tipos de sistemas de cores para o NES (NTSC / PAL). Recomendo deixarem em AUTO;

Options: aqui vocês poderão optar por colocarem ou não limites para sprites e iniciarem ou não com as DIP Switches (setup dos jogos);

Pause: Pausa o jogo;

3 – MENU NETPLAY

null

O modo netplay é realizado através do Kaillera! Partindo desse pressuposto, tenham em mente o seguinte:

  • mesma versão do emulador;
  • mesma rom;
  • instalar o Skype para facilitar a comunicação (caso tenham uma boa conexão);
  • jogar em modo janela;

Connect: ao clicarem aqui, será aberta a tela abaixo:

null

Cliquem em ADD e vão até a pasta roms, selecionem o jogo e cliquem em abrir! Aparecerá a tela abaixo:

null

Marquem o jogo, clique em LAUNCH, esperem abrir a lista de servidores do Kaillera e cliquem em connect no servidor desejado!

null

Ao entrarem no servidor de sua preferência, criem ou unam-se a um jogo já criado e boa diversão!

null

Obs: para maiores esclarecimentos quanto ao procedimento com o Kaillera, recomendo a leitura deste tutorial Jogando Arcades / Fliperamas online via Kaillera com o MAME by Boca-Fox! Apesar de serem sistemas diferentes, o procedimento via Kaillera é o mesmo para ambos!

Chat: após iniciarem o jogo, cliquem em chat para enviarem mensagens ao outro jogador! As mensagens aparecerão na parte inferior da janela do emulador! Porém, esta função torna-se inútil com o uso do Skype… mas, procedam com ela, caso vocês não tenham uma boa conexão ou não queiram utilizar o Skype!

OBS: Caso haja problemas durante a jogatina online (ex: o jogo funciona, mas nenhum player consegue acionar o start ou iniciar o in-game), vocês devem fazer o seguinte:

1 – Em Machine / Input…
Player 1 marquem Port 1 / Pad 1 (demais Ports/Pads = Unconnected);
Player 2 marquem Port 2 / Pad 1 (demais Ports/Pads = Unconnected);

Façam isso com os demais Ports/Pads também (para 3 ou 4 players); pois, toda vez que o emulador é reiniciado ou há uma nova jogatina on-line, os demais Ports tendem a assumir o Port 1 (por padrão) e assim acabam sendo gerados conflitos de input.

2 – Em Options / Paths /
Save Data marquem a opção “Read-Only”;
Save States desmarquem a opção “Use Internal Compression”.

4 – MENU VIEW

null

Image Info: após editar o modo de apresentação do cabeçalho no iNES Header, exibe uma tela com todas as informações peculiares do jogo que está sendo executado;

Log File: exibe uma tela com todas as operações executadas pelo emulador;

Screen Size: dimensiona o tamanho da tela;

null

1x: aumenta 1x o tamanho da tela;
2x: aumenta 2x o tamanho da tela;
3x: aumenta 3x o tamanho da tela;
Max: aumenta ao máximo o tamanho da tela;
TV Aspect: exibe a tela no mesmo formato de uma tela de TV;

Show: mostra / esconde algumas peculiaridades durante a emulação;

null

Menu / Dialogs: mostra / esconde o Menu Principal (na parte superior da tela);
Status Bar: mostra / esconde a barra de Status na parte inferior da tela;
On Top: não consegui identificar sua funcionalidade;
FPS: mostra / esconde o número de Frames Per Second, que aparece no canto inferior direito da tela;

Fullscreen: habilita / desabilita o modo Fullscreen (tela cheia). Utilizando-se o 1x, 2x (não possui o 3x) ou TV Aspect + Fullscreen, habilitará 3 tipos de zoom para a tela;

5 – MENU OPTIONS

null

Aqui teremos a possibilidade de “ajustar” o vídeo, áudio e demais opções do emulador!

Vídeo: é o controle total dos dispositivos de vídeo do emulador. Para uma melhor configuração, prestem atenção às informações abaixo:

null

Device: permite escolher qual será o dispositivo de vídeo a ser utilizado (primário ou a placa de vídeo instalada no PC);

Mode: é o modo de saída de vídeo do emulador (quanto mais recursos a placa de vídeo possuir, maiores opções/resoluções de configurações poderão ser feitas aqui). Ex: monitores de 15″ (recomendado: 640×480 ou 800×600), 17″ (800×600 ou 1024×768), 19″ (1024×768 em diante);

Filter: permite modificar a imagem do jogo, deixando-a ainda melhor do que a imagem normal / padrão!

Standard imagem padrão (normal) do jogo;

null

NTSC 1ª opção de filtro;

null

ScaleX 2ª opção de filtro;

null

Hqx 3ª opção de filtro;

null

2xSaI 4ª opção de filtro;

null

Settings permite uma configuração de scanlines (aspecto de TV) e interpolação bilinear;
16 bit ou 32 bit: permite o uso entre o sistema de cores para 16 ou 32 bits (dependerá de seu sistema operacional + placa de vídeo);

Memory Pool: permite escolher qual será o dispositivo de memória a ser utilizado;
Vídeo ou System pela placa de vídeo (vídeo) ou pelo sistema (System);

Pallete:
Auto seleção automática de padrão de cores primárias;
YUV 1ª opção de padrão de cores primárias;
RGB 2ª opção de padrão de cores primárias (tradicional);
Custom permite ao jogador escolher o seu próprio padrão de cores (aqui está uma paleta de cores excelente concebida pelo pessoal do Rom Hacking;
Editor permite modificar o padrão de cores conforme o gosto do jogador (criando um novo padrão);
Browse localiza o novo padrão de cores feitos / baixados pelo jogador (para novas modificações);

Colors
Brightness controle de brilho;
Saturation controle de saturação;
Contrast controle de contraste;
Hue controle de matiz;
Advanced decodificador de cores com 3 opções a mais;

Monitor Frequency permite a configuração da freqüência do monitor;
Auto seleciona automaticamente (é o recomendado);

Screen Curvature Controle de curvatura da tela;

Sound: aqui vocês poderão ajustar o áudio do emulador;

null

Device: permite escolher o dispositivo de áudio (primário ou placa de som instalada);

Output: permite escolher o formato de saída do áudio. O padrão é 44100;
8 bit ou 16 bit: o padrão dos jogos das gerações de 16bits e 32bits é (16 bit);
Mono ou Stereo: o padrão dos jogos das gerações de 16bits e 32bits é (stereo);
Adjust Pitch: ajuste de freqüências melódicas;

Memory Pool: permite escolher qual será o dispositivo de memória a ser utilizado;
Hardware ou System: pelo Hardware ou sistema;

Latency: controle de latência;

Channels:
Master: volume principal;
Square 1: controle de médio;
Square 2: controle de agudo;
Triangle: controle de grave;
Noise: controle de ruídos (pratos de bateria, etc);
DPCM: não consegui identificar, pois talvez precise de arquivos específicos para seu funcionamento;
FDS: não consegui identificar, pois talvez precise de arquivos específicos para seu funcionamento;
MMC5: não consegui identificar, pois talvez precise de arquivos específicos para seu funcionamento;
VRC6: não consegui identificar, pois talvez precise de arquivos específicos para seu funcionamento;
VRC7: não consegui identificar, pois talvez precise de arquivos específicos para seu funcionamento;
N163: não consegui identificar, pois talvez precise de arquivos específicos para seu funcionamento;
S5B: não consegui identificar, pois talvez precise de arquivos específicos para seu funcionamento;

Default: retorna aos ajustes padrões do emulador;

O nosso grande parceiro, Dr_Venom, conseguiu identificar a funcionalidade desses canais extras. Seguem abaixo seus comentários:

Goro, na opção do channels você disse que tinha opções que não sabia o que era. Eu indentifiquei elas: DPCM, FDS, MMC5, VRC6, VRC7, N163, S5B. Todas essas opções são chips de audio (também funcionam como mapeadores) extra que vinham em alguns jogos (a maioria japoneses).

Por exemplo, o VRC6 acrescenta 3 canais a mais de som para o NES (ficando num total de 8). Ele foi usado na versão japonesa do Castlevania 3 (Akumajou Densetsu). Use a rom japonesa e sinta a diferença!

O VRC7 tem um YM2413 (o mesmo FM usando no MSX e Master System/MarkIII) e é usando num jogo da Konami chamado Lagrange Point.

E por aí vai.

O problema é que são poucos jogos por chip, fica difícil indentificar desse jeito.

Valeu, Dr_Venom, muito obrigado pela ajuda!

Input: permite “mapear” as teclas de controles / teclado ou periféricos a serem utilizados;

null

Type: permite escolher o dispositivo a ser mapeado;

Key: direcional e função originais de controles e/ ou periféricos do NES;

Mapping: permite “mapear” a tecla e/ou botão conforme gosto do jogador;

Joysticks: permite escolher entre joysticks e/ou teclado a serem “mapeados”;
Mappable: permite o “mapeamento” dos eixos dos joysticks;
X – Axis: direcional esquerdo / direito;
Y – Axis: direcional cima / baixo;
Z – Axis: direcional analógico;
Slider e POV: tipos especiais de analógicos para alguns controles;
Deadzone: zona de resposta do direcional do controle (podendo ficar mais lento ou rápido);

Calibrate: permite calibrar os joysticks;
Default: volta à configuração padrão de calibragem;

Set: selecionem a tecla a ser mapeada em Mapping, apertem Set e tenham 5 segundos para mapeá-la;
Set All: apertem-no e tenham 5 segundos (por tecla) para mapearem todos os botões e/ou teclas (começará de cima para baixo);
Unset: desmarca / limpa a tecla selecionada;
Clear: desmarca / limpa todas a teclas mapeadas;
Default: retorna com o “mapeamento” padrão do emulador;

Auto-Fire: permite alterar a velocidade dos disparos nos botões de turbo;
Default: volta com a velocidade padrão do turbo;

Timing: permite alterar a velocidade e sincronização de Frames per Second conforme os sistemas, bem como a velocidade de taxa de freqüência (Hertz). Por padrão a velocidade 60 (60 Hertz) é para os sistemas americano (U) e japonês (J). Para o padrão europeu (E), deve-se utilizar a velocidade 50 (Hertz) – altere isso em speed, nos demais itens deixe como na imagem abaixo!

null

Paths: permite escolher em quais locais os diversos tipos de arquivos serão salvos (Imagens, Dados, States, samples / amostras de áudio, Patches, fotos – e em quais formatos as fotos serão salvas: jpeg, png, bmp). Por padrão, os paths buscarão a pasta criada “NEStopia”, onde está o emulador;

null

IMAGES:
Last Visited: utilizará a última pasta visitada;
Browse: ponham aqui a localização para a pasta principal do emulador (mas automaticamente ele reconhece)

SAVE DATA: Toda vez que o emulador for iniciado, utilizará a última configuração realizada;
Read-Only: Dados serão apenas leitura (sem uso);
Browse: ponham aqui a localização para a pasta Saves;

SAVE STATES:
Auto Import Slot Files: Importa automaticamente os states salvos;
Auto Export Slot Files: Exporta automaticamente os states a serem salvos;
Use Internal Compression: comprime / compacta os states salvos;
Browse: ponham aqui a localização para a pasta States;

CHEATS:
Auto Load: inicia um truque (cheat) automaticamente;
Auto Save: salva automaticamente um truque;
Browse: ponham aqui a localização para a pasta Cheats;

PATCHES:
Auto patch: aplica automaticamente um arquivo IPS (hack ou patch) em uma ROM (ideal para evitar o uso de roms hackeadas – desta forma, vocês terão a rom original e a hackearão quando desejarem, bastando apenas deixar o patch na pasta patches)
Bypass CRC validation: desabilita o uso da validação da contagem CRC;
Browse: ponham aqui a localização para a pasta Patches;

SCREENSHOTS:
Save as PNG, JPEG ou BMP: escolham em qual dos três formatos vocês salvarão as screens (fotos) dos jogos;
Browse: ponham aqui a localização para a pasta Screens;

SOUND SAMPLES:
Browse: ponham aqui a localização para a pasta Samples (amostras de áudio);

Preferences: aqui, vocês poderão editar o leiaute e modo de execução e funcionamento do emulador;

null

Preferences:
Autostart emulation: com esta opção habilitada, ao abrir a rom, o jogo será iniciado automaticamente. Desabilitando-a, o jogo só será iniciado quando em Machine o power estiver ligado (exatamente igual a um console);
Run in background: permite que o jogo continue sendo executado, mesmo que o jogador esteja fazendo outra atividade;
Switch to fullscreen on startup: inicia a emulação em tela cheia;
Suppress pedantic warning / remarks: esconde avisos e lembretes desnecessários;
First unload image on exit attempt: apenas pára com a emulação após descarregar a imagem;
Confirm reset / power off: pede a confirmação do jogador para resetar ou desligar o emulador;
Confirm exit: pede a confirmação do jogador para sair / fechar o emulador;
Allow multiple applications instances: permite instâncias de aplicações múltiplas;
Enable message logging: habilita mensagens de logging;

Favored System: permite escolher qual será o modelo do NES / Famicom a ser executado.
NES NTSC: americano (U);
NES PAL: europeu (E);
Famicom: japonês (J);
Dendy: versão russa (alternativa / clone) do NES;

File Associations: permite associar quais os padrões de arquivos serão utilizados (se japoneses = Famicom ou americanos = NES) na emulação;

Fullscreen Menu Color: permite editar a cor do menu em tela cheia;

Desktop Menu Color: permite editar a cor do menu do desktop;

Application Priority: permite editar prioridades de aplicações;

Save on Exit: permite salvar a lista netplay, a lista do Launcher, a lista dos códigos / truques, as posições em que foram deixadas as janelas do Launcher e do emulador (normalmente são centralizadas);

Cheats: aqui vocês poderão colocar códigos para truques (trapaças) e assim facilitar o jogo (hehehehe);

null

Add: adiciona códigos;

Delete: exclui o código marcado;

Import: importa um código (.xml) existente da pasta cheats ou de algum outro local;

Export: salva um código criado na pasta cheats ou em algum outro local;

Clear: elimina todos os códigos utilizados;

* Clique em Add para criar um novo código e aparecerá a tela abaixo:

null

Na tela acima, escolham um dos três tipos de dispositivos para códigos (Raw, Game Genie ou Pro Action Replay) e digitem-no no espaço adequado a ele; Logo após, vão em Game (e procurem pelo jogo na pasta roms para validarem o código). Em Description, escrevam para que serve o código (10 vidas, tempo infinito, avanço de níveis, etc). Em seguida, pressionem Validate para validá-lo no emulador e cliquem em submit. Após isso, ele aparecerá assim para vocês:

null

Database: não há muito o que dizer sobre isso, apenas deixem marcado em internal (que é o padrão do emulador) para que o emulador execute suas funções apropriadamente;

Language: serve para vocês escolherem em qual idioma os menus aparecerão. Baixem o Nestopia Language Pack, extraiam-no na pasta language e boa escolha!

Auto Saver: como o próprio nome já informa, vai salvando – dentro do tempo programado (o padrão é de 1 em 1 minuto) – na pasta State as etapas do jogo que estão sendo desempenhadas;

6 – MENU HELP

null

Help: mostra a documentação básica e específica do emulador;

License: mostra a licença de uso do emulador;

About: mostra o site e e-mail do programador do emulador (Martin Freij);

BOTÕES E COMANDOS PADRÕES E TECLAS DE ATALHO

Controle Padrão

Controle Tecla
Esquerda Seta Esquerda
Cima Seta Cima
Direita Seta Direita
Baixo Seta Baixo
Select Shift Direito
Start Enter
B ,
A .
B Turbo K
A Turbo L

Teclas de Atalho

File

Open: Ctrl + O
Save State: F5
Load State: F7
Quick Load State 1: 1
Quick Load State 2: 2
Quick Load State 3: 3
Quick Load State 4: 4
Quick Load State 5: 5
Quick Load State 6: 6
Quick Load State 7: 7
Quick Load State 8: 8
Quick Load State 9: 9
Quick Load State Newest: 0
Quick Save State 1: Shift + 1
Quick Save State 2: Shift + 2
Quick Save State 3: Shift + 3
Quick Save State 4: Shift + 4
Quick Save State 5: Shift + 5
Quick Save State 6: Shift + 6
Quick Save State 7: Shift + 7
Quick Save State 8: Shift + 8
Quick Save State 9: Shift + 9
Quick Save State Oldest: Shift + 0
Save Screen Shot: Alt + E
Launcher: Alt + L
Exit: Alt + X

Machine

Power: Shift + D
Soft Reset: Shift + R
Hard Reset: Shift + T
Pause: Shift + P
Unlimited Sprites Toggled: Shift + U
Change Disk Side: Shift + B

NSF

Play Song: Shift + Seta Cima
Stop Song: Shift + Seta Baixo
Next Song: Shift + Seta Direita
Previous Song: Shift + Seta Esquerda

Screen Size

1x: Alt + 1
2x: Alt + 2
3x: Alt + 3
4x: Alt + 4
5x: Alt + 5
6x: Alt + 6
7x: Alt + 7
8x: Alt + 8
9x: Alt + 9
Max: Alt + S
Menu Principal: ESC
Status Bar: Ctrl + B
On Top: Ctrl + T
FPS: Ctrl + F
Fullscreen: Alt + Enter

Help: F1

Screenshots (modo normal, sem filtros)

Super Mario Bros 2

null

Battletoads

null

Megaman 6

null

Gradius

null

T&C 2 – Thrilla’s Surfari

null

Castlevania III – Dracula’s Curse

null

Jackal

null

Double Dragon III – The Sacred Stones

null

Ninja Gaiden II – The Dark Sword of Chaos

null

JOGO RÁPIDO

Abram o emulador e façam as configurações de áudio, vídeo, controles, tela, etc. Baixem a rom na pasta roms e, logo em seguida, vão em File / Open / Pasta Roms / jogo desejado / dêem 2 cliques e boa diversão!

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Apesar de achar que não havia necessidade em fazer um tutorial sobre este sistema – tão fácil de emular – acabei por deparar-me com os detalhes que fazem a diferença com o mesmo! São tantos recursos que, indubitavelmente, valeu a pena ter feito!

Espero que este tutorial possa ser útil para quem jamais mexeu com emuladores e que os mais acostumados possam encontrar informações e funções relevantes com o mesmo!

Abraços, sucesso e tudo de bom para os membros do RETROBITS e visitantes!