Grandpa ATENÇÃO: O texto abaixo foi elaborado por nosso amigo Grandpa, portanto o mérito é todo dele por mais este excelente artigo! Este mesmo artigo pode ser conferido também em nosso fórum, bastando clicar aqui.

Continuando o especial Wonder Boy, nesta segunda parte vamos ver como a série deu uma guinada com o segundo jogo da franquia: Wonder Boy in Monster Land.

Para quem perdeu a primeira parte ou quiser revê-la, basta clicar aqui.

Image

II) Wonder Boy in Monster Land

Assim como o primeiro jogo da série, Wonder Boy in Monster Land nasceu nos arcades japoneses, mas esse game não chegou oficialmente aos fliperamas do resto do mundo, tanto é que no ocidente a maioria das pessoas só foi conhecer este jogo a partir de sua versão para o Master System.

ImageImage
O game original para arcade e a conversão para o Master System

Enquanto o primeiro jogo se passa numa ilha tropical, Monster Land leva o nosso herói para a época medieval com seus castelos, cavaleiros e dragões.

Após a derrota do vilão King em Wonder Boy, Wonder Land passa por um período de paz até que um dragão chega a Terra das Maravilhas acompanhado de um exército de criaturas malignas e transforma a pacata Wonder Land na Terra dos Monstros (Monster Land). Cabe ao bravo Tom-Tom derrotar o dragão Meka e seus asseclas restaurando a paz em sua terra natal.

Apesar da mudança de cenário, o que marcou mais este título foi a mudança na mecânica de jogo.

O criador da série, Nishizawa Ishizuka, era fã de RPGs e decidiu misturar vários elementos de RPG com a ação típica dos arcades. Foi nessa época também que ele trocou o nome de sua empresa de Escape para Westone.

ImageImageImage
Dinheiro e lojinhas são algumas novidades desta segunda aventura de Wonder Boy

Wonder Boy in Monster Land não é um simples joguinho de plataforma como seu antecessor. Vários elementos de RPG foram adicionados ao jogo, como:

:arrow: Moedas que podem ser usadas nas diversas lojinhas que surgem no caminho. Você ganha essas moedas e sacos de dinheiro derrotando inimigos ou pulando em alguns locais específicos. Com esse dinheiro você pode comprar diversos ítens e equipamentos para ajudá-lo em sua jornada.

:arrow: Além dos vendedores, nosso herói também conversa com vários outros personagens não-jogáveis.

:arrow: Existem algumas magias que Tom-Tom pode achar ou comprar durante o jogo. Para usá-las deve-se apertar o direcional para baixo e pressionar o botão de ataque.

:arrow: Wonder Boy in Monster Land tem até algumas sidequests !

Image
Uma sidequest de Wonder Boy in Monster Land

Felizmente, para a alegria dos ratos de fliperama, o placar com os pontos continua existindo.

A sua barra de vida agora é representada pelos coraçõezinhos no topo da tela e ela vai diminuindo conforme Tom-Tom vai sendo atingido durante jogo. Ainda tem uma ampulheta que controla o tempo do jogo. Portanto, procure chegar o mais rápido possível ao fim de cada fase para não perder uma vida por estourar o tempo.

Image
Ao final de cada fase você ganha um bônus pela quantidade de corações que possui

Wonder Boy in Monster Land foi portado para os mais diversos sistemas. Vamos ver agora como Monster Land se saiu em cada uma dessas versões. Ao lado de cada plataforma eu incluí os títulos pelo qual o jogo é conhecido e o ano de lançamento.

:idea: Wonder Boy in Monster Land é considerado o primeiro jogo da franquia “Monster World“, que desconsidera o primeiro jogo da série. Portanto Wonder Boy 2 = Monster World 1. :|

. Arcade (Wonder Boy in Monster Land) (1987)

ImageImageImage
Tela inicial do original japonês e das versões piratas traduzidas

Wonder Boy in Monster Land só foi lançado nos fliperamas japoneses, mas existe pelo menos duas versões piratas em inglês.

O MAME emula a versão original japonesa e mais 4 clones: 2 japoneses e 2 ingleses.

Até onde joguei não notei diferença nas 3 versões japonesas.
As duas versões piratas possuem traduções bem diferentes. A versão da Galaxy Electronics apresenta alguns bugs no cenário e legendas, enquanto a outra versão pirata tem um ou outro slowdown, mas nada que impacte demais o game. Se japonês não é a sua praia, escolha um dos dois bootlegs e seja feliz.

Image
Comparação entre as traduções

Versão original: Wonder Boy in Monster Land (Japan New Ver., MC-8123, 317-0043)
Clone traduzido 1: Wonder Boy in Monster Land (English bootleg)
Clone traduzido 2: Wonder Boy in Monster Land (Galaxy Electronics English bootleg)

A versão para arcade é a única que permite 2 jogadores, alternadamente. São 11 fases ao todo até a batalha final.

:wink: Dica: você pode multiplicar o valor das moedas que aparecem em determinados locais, como em cima da primeira casinha, simplesmente movendo o joystick para a direita e para a esquerda enquanto pula. Esta dica aparentemente só funciona na versão arcade.

. PC Engine (Bikkuriman World) (1987)

ImageImageImage

O PC Engine foi o primeiro console a ter uma versão caseira de Wonder Boy in Monster Land. A Westone em parceria com a Hudson agiu rápido para lançar esta versão antes que a SEGA lançasse a do Master System.

Wonder Boy in Monster Land saiu para o PC Engine com o título Bikkuriman World. A mudança no nome é porque o jogo foi produzido pela Hudson e não pela SEGA. Quem leu a primeira parte do especial deve se lembrar que a Escape, criadora do Wonder Boy original, vendeu os direitos do uso do nome Wonder Boy para a SEGA, por isso a Hudson não podia usá-lo.

A Hudson também decidiu não usar o nome Adventure Island, pois devido ao sucesso do jogo do Mestre Higgins ela já planejava fazer uma sequência por conta própria, além do que Wonder Boy in Monster Land não tem quase nada a ver com o Wonder Boy original que deu origem ao Adventure Island.

A conversão foi muito bem feita e tirando a óbvia troca dos personagens é bem fiel ao arcade. É uma pena que esse jogo só foi lançado oficialmente em japonês.

Image

A versão para PC Engine mantém a barra de informações a esquerda, que existe no arcade, mas não mostra o hiscore. O hiscore aparece apenas na tela inicial.

:idea: Bikkuriman é um personagem de uma série de desenhos japoneses e há vários jogos baseados no anime, mas só Bikkuriman World tem a ver com Wonder Boy.

:wink: Existe uma versão não oficial traduzida para o inglês. Quem tiver interesse o nome dela é Bikkuriman World (J) [T+Eng1.00_DemiForce]. Eu recomendo. :)

ImageImage
A prova que a versão traduzida existe.

:!: Tem um jogo no NES também chamado Bikkuriman World, mas é completamente diferente deste.

. Master System (Wonder Boy in Monster Land / Mônica no Castelo do Dragão) (1988/1991)
. Mark III (Super Wonder Boy: Monster World) (1988)

ImageImage

A versão da SEGA para o Master System difere um pouco do arcade. Algumas músicas, o layout da tela e alguns textos são diferentes ou foram suprimidos, mas o game é basicamente o mesmo. A principal diferença é a enorme barra lateral do arcade que sumiu. As informações dela foram uma parte para o topo da tela, aumentando assim o campo de jogo, e outra parte para a tela de inventário, que é acessada apertando o botão de pause do console. Nessa mudança as informações de round e hi-score sumiram da tela. O hi-score só aparece ao fim do jogo.

ImageImage
Novidades dessa versão: hi-score só no fim do jogo e a tela de inventário.

São 12 fases. Uma a mais que no arcade. O round 8 do arcade foi quebrado em 2 rounds no Master System: 8 e 9. Daí a diferença no total.

No arcade era possível colocar mais fichas para continuar, mas no Master System não há continues, o que torna o jogo mais difícil ainda.

No Mark III mantiveram o Super Wonder Boy do primeiro jogo e acrescentaram Monster World ao invés de Monster Land ao nome, sabe-se lá porque. Acho que só para complicar mais a já confusa nomenclatura da série. :?

A versão japonesa é mais difícil que a americana e a européia. Os chefes precisam ser atingidos mais vezes para serem derrotados.

ImageImageImage
Tela inicial do Mark III e do Master System. Entre elas uma luta com um chefe.

Foi a partir deste game que a Turma da Mônica tomou posse da franquia Wonder Boy no Brasil. Mônica no Castelo do Dragão foi o primeiro título dos 3 que a Tec Toy faria inserindo os personagens do Maurício de Souza no lugar dos personagens originais do jogo. O videogame fez muito sucesso no Master System nacional.

Na versão brasileira a Mônica tem que enfrentar o Capitão Feio, mas ele só aparece na tela inicial. A Mônica não usa espadas. No seu lugar ela usa seu coelhinho Sansão.

ImageImageImage

A tradução foi adaptada para contar uma história da Mônica. Isso leva a algumas situações curiosas, como na tela do bar onde você deve escolher entre beber cerveja ou um outro drinque. Na legenda nacional a Mônica deve escolher entre tomar vitamina ou suco, mas o desenho original não foi alterado. O jogo não foi todo redesenhado, apenas o Wonder Boy foi trocado pela Mônica e as espadas e armaduras por coelhos e vestidos, mas apenas quando a Mônica os veste, pois ao achar/comprar esses ítens, o que vemos são espadas e armaduras mesmo. :lol:

ImageImageImage
A tela do bar traduzida, um erro ortográfico na segunda imagem e a Mônica “morrendo” (um dos poucos sprites que foram alterados)

Além do “hack” oficial da Mônica, Wonder Boy in Monster Land também tem outros hacks como:

ImageImage
O hack “made in Brazil” Master Mega Man

Image
O hack Sonic-Boy in Monster Land

ImageImage
A tradução de Wonder Boy in Monsterland para o francês

E ainda tem o hack Magali no Castelo do Dragão, onde trocaram a Mônica e seu coelho pela Magali com um rolo de macarrão :lol: Obrigado ao B-Mark, por lembrar deste.

Image
Magali no Castelo do Dragão

:idea: Em Monster Land descobrimos que o nome real de Tom-Tom é Bocke Lee Temjin. Tom-Tom é seu apelido. Essa informação consta no manual em inglês do jogo para Master System.

:!: Nos Estados Unidos algumas cópias do jogo saíram com o nome errado no cartucho: Super Wonder Boy Super Monster Land.

Image

:idea: Mônica no Castelo do Dragão veio na memória do Master System Girl da Tec Toy, que é um Master System Super Compact cor-de-rosa destinado ao público feminino.

Image
O Master System rosinha com Mônica no Castelo do Dragão

:idea: Essa imagem aí abaixo bem que podia ser um novo hack chamado Mônica no Castelo do Japão, mas na verdade é o que acontece se trocarmos no emulador o país de origem para Japão e carregarmos a rom de Mônica no Castelo do Dragão. É a versão para Mark III com a Mônica no lugar do Tom-Tom.

Image
Mônica falando japonês

. NES (Saiyuuki World) (1988)

Image

Por que no NES as coisas são sempre mais complicadas ? :roll:

Vocês se lembram que o Wonder Boy virou Adventure Island no NES por motivos legais. Wonder Boy in Monster Land poderia então se chamar Adventure Island 2, certo ? Sim, se fosse lançado pela Hudson, detentora dos direitos do nome Adventure Island. Só que a Westone licenciou (ou não) a Jaleco – ao invés da Hudson – para levar Wonder Boy in Monster Land para o NES. O resultado foi um novo nome para o jogo do garoto maravilha: Saiyuuki World. :?

ImageImageImage

O game foi alterado para se passar na China antiga e o layout das fases e os personagens também estão diferentes, mas mesmo assim não dá para disfarçar a enorme semelhança entre Saiyuuki World e Wonder Boy in Monster Land. O cartucho foi lançado só no Japão.

:!: A Jaleco fez uma sequência de Sayuuki World que chegou aos Estados Unidos com o título de Whomp’em. Essa sequência não tem nada a ver com o Wonder Boy.

. Amstrad CPC (Super Wonder Boy in Monster Land) (1989)

ImageImage

Mais uma vez a Activision ficou com os direitos para lançar Wonder Boy in Monster Land para os computadores pessoais, sob licença da SEGA.
Nos computadores o título do jogo ganhou um Super na frente: Super Wonder Boy in Monster Land.

Esta versão para Amstrad CPC é bem simplezinha, mas eficiente. Uma diferença notável é que a ampulheta que controla o tempo foi substituída por uma vela. O mesmo acontece na versão para ZX Spectrum.

. Amiga (Super Wonder Boy in Monster Land) (1989)

Image

Wonder Boy chegou pela primeira vez a uma plataforma de 16 bits com este título para o computador Amiga. Foi programado pela Images, Inc e lançado pela Activision; assim como as outras versões para computadores.

A conversão para o Amiga é extremamente fiel ao arcade, o único porém é a demora para carregar a fase seguinte após terminarmos a anterior.

Super Wonder Boy também faz parte da coletânea Sega Master Mix de 1990 publicada pela US. Gold tanto para o Amiga como para o Commodore 64, ZX Spectrum, Amstrad CPC e Atari ST.

Image
Super Wonder Boy no disquete

:!: Apesar do jogo se chamar “Super Wonder Boy in Monster Land”, na tela inicial aparece escrito apenas “Wonder Boy in Monster Land” e no disquete apenas “Super Wonder Boy”. :?

. Atari ST (Super Wonder Boy in Monster Land) (1989)

ImageImage

A versão para Atari ST é idêntica a do Amiga.

. Commodore 64 (Super Wonder Boy in Monster Land) (1989)

ImageImage

Wonder Boy in Monster Land foi lançado para o Commodore 64 em fita cassete e também em 2 disquetes pela Activision. Chama a atenção a barra lateral de informações que passou para o alto da tela, mas sem ser redimensionada como na versão para Master System. Graficamente é inferior ao arcade e às versões para Amiga e Atari ST, mas a jogabilidade é boa.

. ZX Spectrum (Super Wonder Boy in Monster Land) (1989)

ImageImage

A versão de Wonder Boy in Monster Land para o ZX Spectrum, ao lado do Amstrad CPC, é a mais fraquinha para os computadores. Esta versão não tem música e é quase monocromática. Também sofre do problema da espera para carregar uma nova fase.

Image

Repare que na tela do jogo não existe o “Super” no nome, mas na caixa sim. Esta conversão da Activision para os computadores pode ser encontrada na internet por qualquer um desses 3 nomes: Super Wonder Boy in Monster Land, Super Wonder Boy ou Wonder Boy in Monster Land. São o mesmíssimo jogo. :|

. Playstation 2 (Sega Ages 2500 Vol.29: Monster World Complete Collection) (2007)

ImageImage
Nesta coletânea apenas as versões japonesas estão disponíveis

Coletânea contendo jogos da franquia Wonder Boy produzidos pela SEGA. Apesar do nome “Monster World” no título, inclui todos os jogos do Wonder Boy, inclusive o primeiro.

A franquia é mais conhecida como “Monster World” no oriente, enquanto no ocidente é mais conhecida por “Wonder Boy”. Como esta coletânea só foi lançada no Japão, foi dado o nome de “Monster World Complete Collection”.

Em relação ao Wonder Boy in Monster Land, apenas o jogo original para arcade e a versão para Mark III foram incluídas. Logo, são as versões em japonês.

. Wii (Wonder Boy in Monster Land) (2009)

ImageImage

A versão do Master System foi lançada para o Virtual Console do Wii em janeiro de 2009.

Vídeos:

Wonder Boy in Monster Land (arcade): http://www.youtube.com/watch?v=WHaqEKHsUOo
Wonder Boy in Monster Land (Master System): http://www.youtube.com/watch?v=pYLKPr7ZTAU
Mônica no Castelo do Dragão (Master System): http://www.youtube.com/watch?v=sqrjHbTohxg
Bikkuriman World (PC Engine): http://www.youtube.com/watch?v=oVMchKEHYjQ
Saiyuuki World (NES): http://www.youtube.com/watch?v=nbbTqviWvW0

Referências:

– Gamebase 64: http://www.gb64.com/
– Gamefaqs: http://www.gamefaqs.com/
– Hall of Light: http://hol.abime.net/1750
– Hardcoregaming: http://www.hardcoregaming101.net/wonderboy/wonderboy.htm
– IGN: The Legend of Wonder Boy http://retro.ign.com/articles/930/930245p2.html
– Insertcoyne: http://www.insertcoyne.com/wonderboy/wonderboy01.html
– MAWS: http://maws.mameworld.info/maws/
– Mobygames: http://www.mobygames.com/home
– SEGA Brasil: http://www.sega-brasil.com.br/index.php?q=catalogossms.html
– SMS Power: http://www.smspower.org/
– SMS Tributes: http://www.smstributes.co.uk/
– The PC Engine Software Bible: http://www.pcengine.co.uk/HTML_Games/Bikkuri_Man_World.htm
– Universal Videogame List: http://www.uvlist.net/
– Wikipedia: http://en.wikipedia.org/wiki/Wonder_Boy_in_Monster_Land