Fire Emblem - Opening
Ano de lançamento: 2003
Plataforma: Game Boy Advance
Fabricante: Nintendo / Intelligent Systems
Gênero: Tactical RPG
Número de jogadores: 1

Lidere o pelotão

Fire Emblem é uma série de RPG Tático desevolvido pela Intelligent Systems, um time de desenvolvimento da Nintendo, e tem uma legião de fãs. A primeira vista o jogo parece um Shining Force mais simples e minimalista e por volta do 3º capítulo você vê que o jogo não é tão simples quanto os gráficos aparentam!

Você de fato é um personagem participante do jogo mas nunca aparece no campo de batalha pois você é tratado como o estrategista do grupo e nunca entra em combate mas comanda todas as unidades!

Uma coisa coisa que devemos atentar é que, ao contrário de outras séries táticas, personagem derrotado em batalha é personagem que não voltará na batalha seguinte. Você que está acostumado a andar com os bolsos cheios de Phoenix Downs, Pick-me-ups ou ainda vive pedindo ao Padre para fazer um ritualzinho de ressurreição, pode ir se preparando para tomar mais cuidado ou na batalha seguinte você terá menos opções!

Como assim finalmente no ocidente?!

Pois é, por incrível que pareça o jogo está longe de ter começado no GBA. Fire Emblem é uma série nascida no Famicom e que também já aportou pelo Super Famicom e só chegou ao ocidente com Sword of Flames que é o 7º jogo da série. Atualmente a série está em sua 10ª edição que foi lançada para o Nintendo Wii e especulasse uma nova edição para o Nintendo DS.

História

Um papo pra descontrair um pouco a batalha A história começa com você sendo acordado por uma bela garota chamada Lyn que te encontrou desmaiado em campo aberto. Logo após as apresentações, Lyn percebe a eminência de um ataque por bandidos e é aí que você se apresenta como estrategista e ajuda Lyn a vencer a primeira batalha!

Vencida a primeira batalha você acaba conhecedo Kent e Sain, dois cavaleiros que reconhecem Lyn como herdeira bastarda do trono de Sacae e a Sacae ela deve retornar para dar fim à uma disputa interna pelo trono. No decorrer de sua jornada de volta, Lyn acaba conhecendo Eliwood e posteriormente Hector, que são respectivamente filho do Marquês de Pherae e irmão do Marquês de Ostia.

Não falarei muito mais da história para não soltar Spoilers!

As batalhas

Tome isso! Realmente o esquema de batalha lembra bastante Shining Force. Você controla as personagens como se fossem peças em um grande tabuleiro disfarçado de mapa e ao atacar você vê uma pequena animação dos pequenos guerreiros se degladiando!

As armas e seus triângulos

Não se esqueça do triângulo! Como todo bom RPG em Fire Emblem existe uma boa gama de armas que estão divididas nas seguintes categorias: Espadas, lanças, machados, arcos, magias luz, magia negra, magia elementar e bastões mágicos (que não servem para atacar e sim para magias de cura e algumas magias não danosas como a de sono).

As armas do jogo seguem uma regra básica de eficiência que também são conhecidas como triângulos e nunca deverão ser esquecidos! O triângulo de ataques armados consiste em: Espadas são mais fortes que machados que por sua vez são mais fortes que lanças que por sua vez são mais fortes que espadas. Já o triângulo de ataques mágico é bem simples: Magia de luz é mais forte que magia negra, que é mais forte que magia elementar, que é mais forte que magia de luz!

Algumas armas como os arcos e os bastões mágicos não funcionam dentro das regras dos triângulos por serem um pouco mais peculiares. No caso dos arcos você não pode atacar enquanto estiver ao lado do inimigo (você deve estar a pela menos uma casa de distância), seus ataques serão praticamente inúteis contra unidades que utilizam armaduras porém serão fatais contra unidades voadoras!

Já os bastões mágicos são bem úteis para ajudar os membros da própria equipe recuperando o HP ou até mesmo curando-os de envenenamentos, porém não causa dano físico aos inimigos.

Vale ressaltar que alguns armas mágicas quebram a regra do triângulo, funcionando de forma contrária e servindo de trunfo contra algumas armas (e em alguns casos contra algumas classes).

Outra coisa interessante sobre as armas é que todas as armas e magia tem uma vida útil de utilizações! Quando a arma chega ao seu limite ela se quebra e fica inutilizável restando ao personagem se precaver e andar com armas reservas para os momentos de desespero!

Jogabilidade

Selecionando a ação de ataque e pegando o espadachim desprevenido pela diagonal!A jogabilidade é bastante simples e não deixa nenhum pouco a desejar, antes das lutas você terá um menu para configurar suas unidades definindo quais irão à luta e com que armas e equipamentos cada um usará, podendo também vender e fazer algumas trocas.

Já nas batalhas seu pelotão é representado pelos personagens de cor azul, enquanto os inimigos estão em vermelhos e unidades neutras são verdes. O campo de batalha é dividido como um grande tabuleiro com espaços quadrados determinando casas e ao selecionar uma personagem você verá em azul as casas por onde a unidade poderá se movimentar durante o turno, ao selecionar ataque você verá em destaque quais inimigos poderão ser atacados!

Fique alerta!

Nem sempre o que você no começo da batalha se trata da realidade da fase, na grande maioria das vezes você será surpreendido por reforços inimigos chegando por onde você menos espera, portanto não confie em colocar um personagem com armas prestes a acabar ou ainda sozinhos em campo aberto pois estes acabarão sendo alvos fáceis de tocaias ou ataques massivos em grupo!

Gráficos

Cuidado pro pégasus não enganchar na colina! A equipe da Intelligent Systems caprichou bastante nos gráficos de Fire Emblem. Desde os menus até as cenas de batalha, percebe-se que tudo foi feito com bastante capricho. Para quem é fã de jogos em 2D com um trabalho em pixel art apurado Fire Emblem é de encher os olhos: temos mapas bem detalhados e que não aparentam ser tão repetitivos, animações de ataques bem legais e animações de ataques críticos mais legais ainda! Comparado à outros jogos de tática em turno podemos dizer que Fire Emblem dá um show nos gráficos (principalmente se compararmos ao remake de Shining Force).

Áudio

As música são bem repetitivas mas isso não quer dizer que elas sejam ruins, pelo contrário! As músicas são bem legais e chegam a dar um toque extra à algumas cenas. Outra coisa legal são os efeitos sonoros durante os ataques onde podemos ouvir o cavalgar do cavalo partindo para o ataque, o bater de asas dos pégasos e ainda o acerto da espada!

Conclusão

Fire Emblem é uma série imperdível para qualquer fã de RPGs com batalhas táticas em turno! A história é bem interessante com reviravoltas que te deixam curioso pelo desenrolar de tudo, gráficos que nos fazem lembrar a época áurea dos 16 bits com um certo revigoramento e um áudio gostoso de acompanhar! Se você procura um RPG tático em um esquema oldschool, empolgante e com sidequests, Fire Emblem então é uma ótima pedida!