Informações Gerais

Ano de lançamento: 2001
Console: Nintendo 64
Fabricante: Rareware
Gênero: Adventure.
Número de jogadores: 1 a 4.

A ultima safra do Nintendo 64

No ano de 2001 o Nintendo 64 e o Game Boy Color estavam perto de suas aposentadorias. Naquele ano, chegavam ao mercado os últimos games para estes sistemas. O Nintendo 64, como sempre, vinha com os seus games exclusivos feitos pela própria Nintendo e pela Rareware. Mas o ultimo game da Rare para os 64 bits da Big N deixou o publico e o mercado de cabelos arrepiados.

Quem de nós nunca quis controlar um herói cachaceiro? Isso parecia impossível. Mas nada é impossível, nem mesmo heróis cachaceiros.

Não julgue um livro pela capa.

Desde o lançamento de Donkey Kong Country em 1994, a Rare ficou conhecida por seus excelentes adventures. Durante a vida útil do N64 a Rare brilhou com excelentes títulos: Banjo-Kazooie, Banjo Tooie, 007 Goldeney e Jet Force Gemini foram alguns desses games que fizeram a diversão daqueles que possuíam um N64. Mas Conker´s Bad Fur Day era diferente de qualquer coisa já vista. Era simplesmente genial.

A primeira vista, podemos dizer que CBFD é mais um daqueles adventures alegres que a Rare estava acostumada à fezer, certo? Errado! Todos se surpreenderam com a classificação que o jogo teve. 18 anos! Isso por que, CBFD foge de qualquer molde da Nintendo. Um jogo feito com um único objetivo: Tirar sarro de outros games e filmes.

Um dia daqueles!


O enredo de CBFD é hilário. Você esta na pele de Conker, um tipo raro de esquilo vermelho. Como todo bom macho, Conker gosta de curtir seus fins de semana com muita cachaça e mulheres, motivo pelo qual ele briga com sua namorada, Berry.

Nessa mesma noite, Conker vai esquecer seus problemas num bar e enche a cara mais do que o normal. O resultado disso é que quando sai do bar, Conker pega um caminho desconhecido para voltar pra casa. Quando acorda na manhã seguinte, Conker não faz à menor idéia do lugar onde se encontra, tudo que sabe é que esta com uma baita ressaca e precisa voltar pra casa. Esse vai ser um longo e divertido dia. Pois ao mesmo tempo, a pantera que é o rei do lugar onde Conker se encontra, quebrou a perna de sua mesa e para concertá-la, ele precisa de uma madeira vermelha que só pode ser encontrada por um esquilo vermelho.

Humor negro e sujo.


Mais interessante do que o enredo de Conker é o modo com que ele se desenvolve. Você começa o jogo vendo Conker se tornando rei, a partir daí, o próprio personagem vai contar a história de como ele se tornou rei e dessa forma o jogo vai fluindo. Parece até que você esta jogando uma espécie de filme ou desenho animado.

A idéia dos criadores foi fazer um game engraçado e com um humor totalmente sujo. A primeira providência foi a criação do “herói”. Geralmente, um herói é corajoso, honesto e generoso. Conker não passa de um interesseiro, trapaceiro e covarde, cujo sua única motivação é o dinheiro e a cachaça.

As fases do jogo fazem paródias com outros games e filmes. Na terceira fase há uma sátira com o filme tubarão e em uma das cenas, o “tubarão” atacando Conker lembra uma das cenas do jogo Sonic Adventure (Dreamcast). Na sexta fase existem duas paródias. Uma com os jogos da série Resident Evil e com o filme Drácula de Bram Stoker, até mesmo o diálogo de Conker com o vampiro lembra o filme. E não poderíamos esquecer as duas sátiras mais geniais do game. A primeira a conhecida cena do filme Matrix e a sátira com o filme O Resgate do Soldado Ryan, onde Conker vai tomar partido em uma guerra violenta e sangrenta entre… Os esquilos contra os ursinhos de pelúcia!?

Além das paródias, CBFD também abusa de insinuações ao sexo e de palavrões. Palavrões foram usados nos diálogos, mas a Rare foi obrigada a censurá-los usando símbolos nos textos e apitos de censuras nas dublagens.

Durante o game acontecem coisas muito loucas. Há um chefe em que Conker deverá vencer um robô, para isso, ele deverá atingir os testículos do robô com tijolos. Há momentos do game em que o esquilo deverá estar bêbado. Duvido que você veja algo igual em algum outro game!

Diferentes tipos de ação.


A principal arma de Conker no game será uma frigideira. Ela pode ser usada para paralisar inimigos que fogem do esquilo, exemplos são chaves e pedaços de queijo. Além da frigideira, Conker pode usar uma quantidade incrível de objetos em determinadas partes do game, mas isso só é possível graças aos Pads.

Durante todo o jogo você encontrará botões chamados de Pad, eles estarão sempre no chão e marcados pelo botão B, indicando que para ativar esses Pads deve-se pressionar o botão B.

Cada Pad é usado de acordo com a necessidade do cenário, exemplos: Após derrotar o primeiro chefe, Conker deve usar o pad para cortar os fios elétricos que estarão espalhados pelo lugar, na fase onde há paródia com Matrix o pad é usado para que Conker desvie das balas. Em outras situações, o pad também pode fazer com que Conker beba sua cachaça e quando estiver de ressaca, basta que Conker use o pad de novo para tomar um remédio que o faz voltar ao seu estado normal.

Em outras fases, a frigideira é substituída por outras armas. Na fase onde há paródia com Resident Evil, Conker vai usar uma arma de fogo para matar os ursinhos zumbis, nas fases de tiro, Conker vai usar duas metralhadoras para enfrentar os ursinhos de pelúcia.

Ao fim de casa missão completada, Conker vai ganhar um pequeno bolo de dólares. Infelizmente, podemos notar que os dólares na verdade não trazem utilidade alguma no decorrer do game, estão lá simplesmente por que é engraçado ver os olhos de Conker ficarem arregalados diante de tanto dinheiro.

Gráficos.


Nem mesmo os games da série Zelda conseguiram abusar tanto dos poderes gráficos do Nintendo 64. Os personagens são muitos bem desenhados. Em Conker podemos notar a sutil separação nos pelos na cabeça do esquilo, quando esta em movimento Conker ganha uma afeição raivosa, os inimigos e chefes estão muito bem feitos.

As animações também são ótimas. Experimente deixar Conker parado por alguns segundos para vê-lo jogar uma partida de Game Boy ou brincar com o seu iô-iô. Se Conker cai de um lugar muito alto ele se despedaça todo, é muito divertido.

Os ambientes são de um bom gosto tamanho. É legal ver que nas paródias a equipe foi a fundo nos detalhes. Quando os esquilos descem dos barcos para ir para a guerra à cena fica perfeita, lembrando bem a cena do filme O resgate do Soldado Ryan. Na paródia com Matrix é formidável ver que o cenário da base militar ficou perfeitamente recriado no game. Todos os ambientes e fases ficaram com cores ótimas e ricas em detalhes. Achei curioso o fato de que tantos detalhes e CBFD não exige o uso do cartucho de expansão.

Efeitos sonoros e músicas.


Os efeitos sonoros estão muito bons, desde os saltos de Conker, o som da frigideira atingindo os inimigos, os tiros, as armas sendo carregadas, tudo ficou muito bem feito.

A trilha sonora também esta excelente. As composições são do tipo cômicas e grudentas. Gosto muito da música que toca durante a tourada, além dela ser hilária ainda podemos ouvir um “Olé” de uma platéia. Toda a trilha sonora de Conker Bad Fur Day é ótima.

Alguns games do Nintendo 64 usavam vozes para certos momentos em seus games, quando Resident Evil 2 teve sua conversão para o N64 também levou suas dublagens nos diálogos. Mas Conker´s Bad Fur Day surpreendeu a todos por usar desse recurso. Todos os diálogos do game (Que não são poucos) usam dublagens, e são dublagens realmente boas.

A voz de Conker é do tipo fina e debochada, essa dublagem caiu muito bem, já que o herói do game não é nenhum pouco sério no que fala. O rei pantera também tem uma ótima dublagem, uma voz grave e cortante que bota medo nos seu cervo, que tem uma voz gaga que medrosa. Essas são algumas das dublagens que merecem destaque, mas todas elas estão perfeitas e ajudam a dar o clima divertido que o game tem.

Controles.

Todos são muito simples. Conker pode saltar e também usar sua calda como se fosse um helicóptero, habilidade ótima para cair com mais suavidade de lugares muito altos. Como já foi dito mais acima, basta usar o botão B para fazer uso de qualquer pad do game.

CBFD é mais um daqueles jogos onde o jogador tem total liberdade para mexer na visão da câmera conforme lhe for melhor. Não há o que reclamar dos comandos deste game.

Dificuldade.

Começa difícil, mas vai ficando mais fácil quando se esta perto do fim. Este não é aquele tipo de game que faz com que você fique muito tempo procurando por algo. Você terá oito mundos, em cada um deles haverão acontecimentos estranhos que Conker vai se envolver, mas ao fim de todos eles você terá de detonar um chefe. Os mundos não trazem vários caminhos para confundir o jogador, mas em compensação, trazem alguns pequenos puzzles para serem resolvidos.

Pode-se dizer que até quinto o mundo, o game é mais do tipo de use o cérebro, mas do sexto mundo em diante vai ser só ação do inicio ao fim, sem puzzles ou coisas do tipo, apenas Conker detonando geral.

Os chefes são bem complicados, mas também divertidos de serem vencidos. Você deverá descobrir a maneira exata de matá-los, tornando tudo mais engraçado.

Conclusão.


Conker´s Bad Fur Day é um game totalmente diferente de tudo. Podemos dizer que foi muita coragem da Rare lançar no mercado um jogo tão sujo. Desde que vi a propaganda de CBFD na internet e em revistas achei a idéia interessante.

CBFD teve uma divulgação boa, mesmo assim, foi um game que passou meio que em branco. O motivo? Bem, este foi um dos últimos games do Nintendo 64, isso quer dizer que a atenção dos gamers estava voltada para a chegada do Game Cube e GBA, quem iria se importar com este game quando todos esperavam pelo revolucionário Eternal Darkness? Imagino que se este game tivesse sido lançado em 1998/1999 (Anos em que o Nintendo 64 estava em “alta”) Com certeza teria tido um impacto mais significativo.

O seu modo multiplayer também foi muito legal. Era divertidíssimo jogar com os amigos em guerras furiosas ou corridas alucinantes e ainda era possível escolher os personagens que aparecem durante o game.

Conker´s Bad Fur Day vai divertir qualquer jogador do inicio ao fim. Quem foi que disse que não existem heróis cachaceiros no mundo dos games? Abra a sua garrafa de 51, ou então faça aquela boa caipirinha do fim de semana. Conker´s Bad Fur Day é jogo pra macho pinguço!

Análise escrita por: Lipe Vasconcelos.